terça-feira, 26 de janeiro de 2021

Cascavel

Cascavel: novas denúncias à Justiça Eleitoral colocam mais 8 vereadores em risco

30 Dec 20 - 18h31 Atualizado 30 Dec 20 - 21h35 Juliet Manfrin
Cascavel: novas denúncias à Justiça Eleitoral colocam mais 8 vereadores em risco

A Justiça Eleitoral em Cascavel recebeu novas ações com denúncias de possíveis crimes eleitorais que teriam sido praticados nas eleições municipais de novembro passado. As denúncias são de possíveis fraudes na candidatura de mulheres, às chamadas cotas de gênero aonde todos os partidos devem, por lei, preenchê-las com ao menos 30% de mulheres ou de homens.

Segundo apurou o Portal24, são pelo menos 3 novas ações, além de uma já protocolada há 3 semanas contra o PL (Partido Liberal). Analisando todas elas seriam então 4 processos que podem afetar, em cheio, 10 vereadores eleitos em Cascavel. Desse total, somente as novas ações podem afetar 8 eleitos ou reeleitos ao Legislativo Municipal.

A reportagem conseguiu levantar que as denúncias mais recentes indicam, em uma única ação, uma candidata que teria concorrido pelo PTB e outra pelo Republicanos. No caso do PTB, a suspeita é de que a elegível, que fez menos de 10 votos, sequer tenha votado nela mesma, já que na seção aonde ela vai às urnas, a postulante a um cargo no legislativo não recebeu um único voto. No caso da candidata do Republicanos, a suspeita segundo a denúncia é que ela tenha se utilizado de recursos do fundo eleitoral para pagar pelos serviços do marido durante a campanha, mas que ele teria trabalhado durante todo o pleito para eleger outro candidato da sigla.

Cada um desses partidos denunciados à Justiça Eleitoral elegeu um candidato e, caso a justiça julgue a ação procedente, eles correm o risco de perder o mandato.

Outras ações indicam candidatos do PSC, que elegeu 5 vereadores. Nesse caso a alegação é que uma das candidatas utilizou suas redes sociais para publicar que sequer estava em Cascavel no período eleitoral e que, além de não fazer campanha no município, não votar no dia da eleição, estava trabalhando para outro candidato a vereador no estado de São Paulo.

Outra ação envolve o Democratas, cuja suspeita é de que haveria, inclusive, mais de uma candidatura com indícios de fraudes no processo eleitoral.

O prazo final para entrar com ações que peçam impugnação de candidaturas e cassação de mandatos termina nesta quinta-feira (31).


Andamento do processo contra o PL

No caso da ação do PL, o juiz permitiu a diplomação dos 2 eleitos, mas manteve a investigação. O Ministério Público se manifestou nesse processo reforçando que há indícios de crime eleitoral. O PL nega essa condição e afirma que a candidata desistiu do pleito e que isso foi formalizado à Justiça Eleitoral após as eleições.

O PTB

Segundo o presidente do PTB em Cascavel, Nelsinho Padovani, a candidata do partido pegou covvid-19 no decorrer da campanha eleitoral. Ela estava grávida, precisou ficar afastada das ruas e entrou em trabalho de parto no dia 4 de novembro, seu bebê nasceu no dia 5 e, por esse motivo, ela não compareceu às urnas para votar no dia 15 de novembro, o que justificaria o fato de ela não ter votado em si mesma no dia do pleito. O partido nega que houve qualquer irregularidade e que, assim que for notificado, vai apresentar a defesa e a justificativa dos fatos.


PSC

O presidente do PSC em Cascavel, Edson Zorek, afirmou ao Portal24 que “não tivemos nenhuma candidatura fraudulenta”. “Não tenho conhecimento da referida ação protocolada, dessa forma aguardo ser citado pela Justiça Eleitoral para tomar conhecimento, bem como as medidas cabíveis, e comprovar que não há qualquer irregularidade”, destacou.

O Portal24 ainda não obteve retorno dos partidos mencionados na reportagem.

Via: Redação/Juliet Manfrin - Foto: Aílton Santos


Envie sugestões de Pautas ou Fotos, para o nosso Whatsapp que a nossa equipe irá atender você.
Entre no nosso grupo do WhatsApp: Clicando Aqui

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.